terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Significado Tatuagem Juvenal.

fonte: Estrelando.

'Duas Caras': Fagundes e Flávia Alessandra gravam o primeiro beijo de Juvenal e Alzira

Antonio Fagundes e Flávia Alessandra gravaram a primeira cena do beijo de seus personagens, Juvenal Antena e Alzira, em "Duas Caras" na noite desta segunda-feira, 10, numa locação em Rio das Pedras, no Rio.

Juvenal vai até a casa de Alzira e lhe rouba um beijo (a pedido da produção da novela, esta imagem não pôde ser registrada). Em seguida, o 'dono' da Portelinha vai embora e a stripper fica pensando nele.

A cena deve ir ao ar na próxima segunda-feira, 17


fonte: globo.com

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Antonio Fagundes e Stênio Garcia: três décadas de amizade.

Roberta Escansette

DO EGO, NO RIO





Está sentindo falta desse encontro em "Duas Caras"? Pois os amigos Stênio Garcia e Antonio Fagundes também torcem para isso acontecer. Os personagens dos atores, Paulo Barreto e Juvenal Antena, são de núcleos diferentes e ainda não se encontram na história. "Não será um embate amigável. Barreto é advogado do inimigo do Juvenal, Marconi Ferraço (Dalton Vigh)", conjectura Fagundes.

Enquanto o autor Aguinaldo Silva não escreve este capítulo, nossa equipe esteve com Fagundes e Stênio na cidade cenográfica da novela, no Rio, para falar sobre essa amizade que já dura 29 anos.

A seguir, os melhores trechos do bate-papo com os atores que comentam momentos marcantes dessa trajetória profissional e pessoal, as suas afinidades, os boatos de brigas e a possibilidade do seriado "Carga Pesada" voltar para a grade da Globo em 2008. "Nós torcemos para isso", afirma Stênio.

Vocês lembram quando ficaram amigos?
Stênio Garcia: Tem uns 30 anos, mais ou menos. Mas a gente se namorava antes.

Antonio Fagundes: Quando eu comecei a fazer teatro, o Stênio já estava bombando. Eu vi um monte de coisas maravilhosas dele. Mas a gente foi apresentado oficialmente em “Carga Pesada”, em 78.

E foi amizade à primeira vista?
Stênio Garcia:
(Risos) Conhecia o Fagundes de teatro. Ele fazia parte de um grupo que eu tinha uma admiração muito grande, o pessoal do "Teatro de Arena". Eu trabalhava com um teatro mais tradicional. Uma das peças que eu vi, que fiquei apaixonado por ele (risos), foi “Castro Alves Pede Passagem”.

Antonio Fagundes: Ele fala tradicional... tradicional dele é "Cemitério de Automóvel", que era aquele espetáculo louquíssimo.

Vocês fizeram juntos duas vezes o seriado "Carga Pesada", novelas ("Corpo a Corpo", em 1984, "O Dono do Mundo", em 1991, "O Rei do Gado", 1996) e um filme, "Leila Diniz", em 1987. Tem alguma cena em especial que marcou?
Stênio Garcia: Lembro de uma cena em “O Rei do Gado”. Ele era o patrãozinho (Bruno Mezenga), como o meu personagem Zé do Araguaia o chamava. Caiu o avião dele e o Zé ficou desesperado. Criou-se uma ansiedade em torno da volta do Bruno Mezenga. Eu me lembro que estava em Belo Horizonte para dar uma palestra e vi umas 300 pessoas juntas assistindo ao primeiro reencontro dos dois. Foi emocionante.

Após uma longa temporada de “Carga Pesada”, sentem falta de contracenar juntos?
Stênio Garcia: Sinto. Mas isso pode acontecer, por causa do personagem do Lázaro (Ramos),o Evilásio, que é escorraçado da minha casa e é o xodó do Juvenal.

Antonio Fagundes: No caso não sei se vai ser um embate muito agradável. Barreto é advogado do maior inimigo do meu personagem, o Ferraço. A novela ainda está no comecinho, mas eu acho que vai dar sim.


Existe a possibilidade de “Carga Pesada” voltar em 2008 - ASSISTA AO VÍDEO ? Antonio Fagundes: Existe sempre. Nós torcemos sempre para que volte, porque é um seriado que cumpre algumas funções importantes na televisão brasileira. Temos muito carinho por ele e ainda não chegamos naquele ponto em que a gente gostaria de chegar. Uma elaboração visual um pouco maior e uma dramaturgia mais elaborada. Na última temporada, nós chegamos a uns 80% do que a gente queria. Resultou num IBOPE muito bom.


"Nós torcemos sempre para que volte o 'Carga Pesada'", comenta Fagundes


Vocês sentiram diferença na atuação um do outro da primeira para a segunda versão do “Carga”?
Stênio Garcia:
Tem uma brincadeira que o Fagundes faz que eu gosto muito. O caminhão ficou mais alto (risos). Mas é claro que a gente teve um amadurecimento com o trabalho. Hoje em dia, nós não podemos fazer o Pedro e o Bino ágeis como eram, saltando no trem, pegando caminhão andando (risos). Mas tem outras coisas que substituíram, como o serviço social que o seriado presta dentro da programação brasileira, de denúncias e reivindicações.


Aos 30 anos de amizade, vocês têm intimidade para puxar a orelha um do outro?
Stênio Garcia:
Somos do bem. Às vezes a gente ouve boatos de brigas que não aconteceram.

Antonio Fagundes: Como somos do bem, eles inventam umas briguinhas entre a gente.


O Fagundes tem fama de galã. Mas entre os dois quem é mais vaidoso?
Stênio Garcia: Eu não sou mais bonito do que ele. Logo, demoro mais para me arrumar (risos). Por exemplo, eu pinto unha (risos).

Antonio Fagundes: É ele (risos).

Qual característica que um admira mais no outro?
Stênio Garcia: Eu gosto da franqueza absoluta do Fagundes. Eu viro as costas sem desconfiança dele. Ele pode mexer na minha carteira (risos).
Antonio Fagundes: Essa integridade, essa honradez, eu vejo no Stênio também. Mas acima de tudo o que mais me chama atenção nele é a fé que ele tem nas coisas, e que acabam dando certo. É muito bonito. É uma coisa que às vezes não tenho e que sinto que preciso.

"Fagundes pode mexer na minha carteira", diz Stênio

A amizade continua fora dos estúdios. O que vocês gostam de fazer juntos?
Stênio Garcia:
A gente tem uma saudade muito comum que é a mãezinha dele, que era a minha também - Dona Lídia faleceu em julho de 2007. Acho que isso era uma coisa que nos aproximou muito. Independente disso, eu gosto muito do sítio dele, em São Paulo, que é delicioso.

Antonio Fagundes: Essa semana nós fomos três vezes ao teatro. A gente está sempre junto. É como num bom casamento, as pessoas tem o seu espaço, cada uma tem a sua liberdade, mas estão sempre juntas.

"É como num bom casamento, as pessoas tem o seu espaço, cada uma tem a sua liberdade, mas estão sempre juntas", define Fagundes.
Fonte: Ego.globo.com

sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Entrevista Antônio Fagundes

Longe das novelas desde 2002, quando interpretou Giuliano em Esperança, Antônio Fagundes volta na pele do líder comunitário Juvenal Antena. Um personagem complexo, como o próprio ator descreve, mas que com certeza vai conquistar o público. Em entrevista, Fagundes conta o que o chamou a atenção em Juvenal e comenta ainda o apelo social do personagem, que já fez com que ele recebesse até pedidos de pessoas querendo morar na Portelinha.

O que lhe chamou a atenção em Juvenal Antena, a ponto de você aceitar o papel depois de quatro anos longe das novelas?
Primeiro a complexidade do personagem. É um personagem autoritário, mas ao mesmo tempo, bastante carinhoso com a comunidade onde ele exerce essa autoridade e que pode ter um pouco de humor. Ele cria condição de vida para as pessoas que não teriam essa condição se ele não existisse, mas que rege a vida dessas pessoas com mãos de ferro. Duro mas com ternura. É um personagem complexo que apresentava mais de duas caras. E isso é sempre um desafio para o ator.

Com que profundidade você conhecia a realidade das favelas e das pessoas que vivem em uma?
Nunca fui a uma favela, e acho que é um engano pensar que o ator tem que fazer as coisas para poder entender, porque hoje você tem uma série de vídeos, reportagens e documentários sobre outras realidades sem que você precise vivenciar aquilo para poder interpretar. Até porque não adianta você conhecer isso tudo se não vier isso no texto. O ator tem que ter armas e estar pronto e naturalmente bem informado para poder interpretar aquele texto dentro das coisas que ele estudou. Se eu tivesse vivido em uma favela em momento nenhum iria me ajudar a interpretar o Juvenal Antena, ia ser uma boa experiência de vida e não de interpretação.

Você já teve algum retorno do público com relação ao Juvenal?
Na primeira semana. O Juvenal é um personagem muito forte, muito bem humorado e de fácil apelo popular. Ele atinge rapidamente as pessoas. Então na primeira semana as pessoas já tinham decorado o nome dele, já sabiam as características dele, já brincam comigo na rua. Tem gente até me pedindo para morar na Portelinha!

O que você acha do líder Juvenal Antena?
Ele tem um carinho muito grande pela comunidade, ele presta atenção nessa comunidade, atende alguns anseios primários dessa comunidade. Mas ele tem os interesses nisso também, ele cobra uma porcentagem nos serviços, taxa de aluguel, é presidente da associação. Ele ganha com isso também. Mas o que o Aguinaldo está querendo mostrar com isso é que onde o estado é omisso, qualquer um que entre com um pouco de autoridade e ao mesmo tempo suprindo as necessidades dessa comunidade vai reinar lá. Pode ser o tráfico, a milícia ou uma pessoa bem intencionada, como é o caso do Juvenal.

E, da maneira dele lidar com as situações que aparecem, o que você faria diferente?
Talvez esse mesmo processo, mas de uma forma mais democrática. Abrindo portas para um conselho de moradores, fazendo com que a associação representasse mesmo os interesses da comunidade como um todo. Ou seja, do jeito que a gente gostaria que o estado brasileiro fosse.
Fonte: site oficial duascaras.

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

'Duas Caras' terá cenas gravadas na Sapucaí.

Antonio Fagundes vai desfilar no Carnaval 2008. É que Duas Caras colocará a Nascidos na Portelinha para atravessar a Sapucaí .

O enredo Grande Circo Brasileiro será criado por ninguém menos que Dália (Leona Cavalli), com a ajuda de Bernardinho (Thiago Mendonça). É assim que ela se torna a carnavalesca da escola.

"Meu sonho é repetir com Juvenal Antena (Fagundes) o sucesso de Giovanni Improtta (José Wilker), de Senhora do Destino. Nunca vou esquecer: quando Wilker apareceu, o sambódromo inteiro começou a gritar em coro 'fe-lo-me-nal!', que era o bordão dele", conta Aguinaldo Silva, autor da trama.

Fonte: terra.com.br

domingo, 21 de outubro de 2007

Aos 58 anos, Antonio Fagundes não perde o título de galã.

Aos 58 anos, Antonio Fagundes não perde o posto de galã na TVFaltam dois anos para Antonio Fagundes completar 60. Ou seja: Fagundes já não é mais o mesmo garotão de tempos atrás. Problema? Muito pelo contrário. O ator amadureceu, no mais amplo sentido da palavra, como poucos e, para o deleite do público, o feminino em especial, manteve seu eterno status de galã. Os segredos para esse carioca continuar arrancando suspiros das mulheres são muitos.

Especialista no quesito galã – afinal, ela foi casada com Reynaldo Gianecchini e vive cercada de homens lindos-, Marília Gabriela, que atua com o ator em "Duas Caras", explica o tal charme: "Preste atenção ao olhar do Fagundes", aponta ela.

Prestou? Agora alie o tal olhar ao já conhecido lado doce do galã, ao mais conhecido ainda profissionalismo do ator e à vida simples que leva. Quer mais? Fagundes ainda é, sem pretenção, uma biblioteca ambulante, um chef de cozinha nato e um romântico inveterado.

VEJA AQUI AS FOTOS DOS MOMENTOS MARCANTES NA CARREIRA DO ATOR

"Contracenar com Fagundes é uma benção. Ele é um ator inteligente, atua com segurança e empresta esse talento a quem trabalha com ele. E penso que é o galã que é até hoje, porque a sua inteligência é sedutora! Preste atenção ao olhar do Fagundes. Ali dentro daquele olhar brilha uma chama que diz: eu sei, eu já vivi, acredite em mim. E a gente confia e o segue. Não é isso que, no fundo, todas as mulheres estão querendo encontrar? Ah, sim, ele conta piadas deliciosamente nos bastidores e é extremamente carinhoso. Não precisava nem ser bonito o exagerado", elogia Gabi (assistia ao vídeo abaixo da cena dos atores na trama de Aguinaldo Silva).

DIA-A-DIA

Além dos predicados ressaltados pela companheira de cena nesta matéria, 'Fafá', como o ator é chamado pelos amigos, é um cavalheiro. Gosta de abrir porta do carro para uma mulher, a chama carinhosamente de querida e adora servir. Isso mesmo, Fagundes é um homem que vai para cozinha preparar almoços e jantares, acompanhados de um bom vinho, claro.

Reunir amigos para um papo na beira da piscina ou para assistir um filme em casa são seus programas preferidos - ele adora tomar sol e tem paixão por cinema.

CULTURA À FLOR DA PELE

Antonio Fagundes aprecia uma boa conversa. É nessa hora que - humildemente - faz citações de filósofos quando o assunto leva ao tema. O ator tem uma biblioteca privilegiada em casa e já leu mais de 20 mil livros.

É assim que passa o tempo quando está de folga. Muitas vezes, os filhos e a namorada, a atriz Alexandra Martins, 30 anos mais nova, estão ao seu redor. 'Fafá' é família e faz questão de preservar a amizade com as ex-mulheres Clarisse Abujamra e Mara Carvalho.

NADANDO CONTRA A MARÉ

Ao contrário dos galãs novatos, Fagundes não malha, não faz ioga, assume seus cabelos brancos, não é budista e sim católico, fuma charuto e não é vegetariano. Ele adora comer um bom churrasco. Mesmo assim, o ator até hoje conquista papéis na TV que ressaltam o seu lado sedutor.


"O Fagundes é um excelente ator. Tem personalidade forte, tem opinião e isso é sedutor. Os galãs narcisistas são chatos. O Fagundes é um grande companheiro de trabalho. Em cena é bem humorado e generoso", conta Patrícia Pillar, que trabalhou com o ator nas novelas "Renascer", " O Rei do Gado" e no seriado " Carga Pesada".

Fonte: ego.globo.com

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

A filha de Juvenal.

Sheron Menezes gravou na tarde desta terça-feira suas primeiras cenas para Duas Caras. Sua personagem, Solange, vai causar uma reviravolta na vida de Juvenal Antena, simplesmente porque ela é filha do homem! Isso mesmo, a moça vai chegar de mala e cuia, de uma hora para outra, na casa do todo-poderoso da Portelinha. Mas a relação desses dois não vai ser a das melhores, não. Isso porque ela não gosta nem um pouco da idéia de que o pai mora em uma favela. Aí já viu, né? Segundo a própria Sheron, essa briga promete! “Vai ser uma briga das brabas, porque ela não vai baixar a guarda e muito menos ele. Mas vamos ver aonde isso vai dar”.

Fonte: duascaras.globo.com